Finalmente!

Diretor da Record é desligado da empresa após apresentadora denunciar assédio e ser demitida

De acordo com Rhiza Castro, outras mulheres também foram assediadas por Thiago Feitosa

Lara Santana
Repórter do EM OFF

Nesta quinta-feira (30), a colunista Fábia Oliveira, do Metrópoles, revelou que o diretor Thiago Feitosa, da Record Tv, foi demitido da emissora após uma denúncia de assédio sexual. A vítima foi a ex-apresentadora do programa Record News, Rhiza Castro. A informação da demissão de Feitosa foi confirmada pela assessoria de imprensa da emissora do Bispo Macedo, que foi contatada por Fábia Oliveira.

A história veio a tona no último mês de outubro, quando Rhiza Castro divulgou em suas redes sociais um vídeo falando sobre o ocorrido. De acordo com a moça, ela foi desligada da empresa apenas dois dias depois de denunciar Thiago Feitosa ao RH do canal de TV. A ex-apresentadora fez questão de revelar que o diretor é um homem casado e que a esposa dele também é contratada da Record Tv.

Segundo a profissional, ela entrou com um processo criminal contra o agora ex-diretor da Record e também com um processo trabalhista contra a empresa. De acordo com Rhiza Castro, ela foi vítima de assédio por quase um ano e veio sofrendo retaliações por não ter cedido. Ela também afirmou estar orgulhosa da coragem que teve ao denunciar.

Leia o depoimento de Rhiza Castro

“Hoje eu estou vindo aqui para poder falar sobre um assunto que me machucou muito mesmo, que foi o motivo da minha saída da empresa que eu trabalhava anteriormente”, introduziu a ex-apresentadora do Record News. “Eu sofri assédio sexual do meu diretor por quase um ano e no final eu sofri retaliações porque, obviamente, eu não cedi. E aí, até que eu não aguentava mais, eu decidi fazer a denúncia no RH da empresa”, contou ela.

De acordo com Rhiza Castro, ela não tinha feito um boletim de ocorrência previamente, mas resolveu levar o fato ao setor responsável pelos funcionários. “Falei: ‘O que é que vocês vão fazer?’. E o que eles fizeram foi me demitir dois dias depois da denúncia. Eu sabia que isso podia acontecer, mas eu tinha esperança de que a empresa fosse uma empresa séria e que zelasse pelo bem-estar dos colaboradores”, pontuou a profissional. “Mas não foi isso. Me enganei”.

“Sim, eu entrei na justiça. Está rolando um processo contra a empresa e o processo criminal contra essa pessoa”, explicou ela. A moça fez questão de frisar que os dois processos estão em segredo de justiça. “Mas eu tenho muito orgulho de ter coragem de ter feito tudo isso, de ter saído dessa ‘prisão’, vamos falar assim”. De acordo com Rhiza, ela tomou conhecimento de outras mulheres que também foram assediadas pelo ex-diretor.

Ela também contou o quanto se sentiu invalidada como mulher ao viver este tipo de situação, mas que sua coragem já começou a obter resultados. “Mas o que eu posso falar é que a gente teve uma vitória, já saiu a primeira sentença, cabe recurso, mas eu não posso falar mais nada. Quando eu puder, eu volto aqui”, explicou a profissional.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você está ciente dessa funcionalidade. Consulte nossa Política de Privacidade.