VÃO RESOLVER NA JUSTIÇA!

Sonia Abrão vira ré em processo movido por Patrícia Poeta

Apresentadora da TV Globo alega que foi criticada ao vivo pela comunicadora da RedeTV!

Carolina Freitas
Repórter do EM OFF

Sonia Abrão virou ré em um processo movido pela apresentadora Patrícia Poeta em maio deste ano. A decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), assinada pela juíza Roberta de Toledo Malzoni, e divulgada na última segunda-feira (28), afirma que “há provas de materialidade na queixa-crime (de Poeta)” e, por isso, foi aceita pelo órgão público.

Vale lembrar que no início do ano Patrícia reuniu diversas reportagens e comentários ocorridos durante o programa “A Tarde é Sua”, comandado por Sonia, para acusar a comunicadora da RedeTV! daquilo que descreveu como “campanha difamatória”, já que que era criticada ao vivo pela apresentadora e por um de seus assistentes, Alessandro Lo-Bianco.

De acordo com o processo, agora Sonia terá dez dias para responder às acusações feitas por Poeta. Após a decisão do TJSP, André Perecmanis, advogado da apresentadora da TV Globo, falou que esse foi um passo muito importante. “Mais uma vez rechaça a tentativa da Sonia e da equipe dela de tratar o que são ataques deliberados e ofensas como liberdade de imprensa”, destacou a defesa da jornalista.

Provas reunidas

Ainda em maio deste ano, Perecmanis abriu o jogo sobre a ação que acumula cerca de 40 páginas e revelou que Patrícia não quer dinheiro. “Ela [Sonia] praticou alguns crimes, na verdade. A gente pede que ela seja condenada por esses crimes, como injúria e difamação”, disse ele à época ao site Notícias da TV.

No mês anterior, o jurídico de Poeta enviou uma notificação extrajudicial a Sonia Abrão. O objetivo era “obrigar” a jornalista de celebridades a fazer uma retratação, num prazo de 24 horas, a respeito dos comentários feitos durante o programa “A Tarde é Sua”. Apesar disso, a notificação não intimidou Sonia, que continuou dando suas opiniões pra lá de “sinceronas”.

Por fim, após saber da ação movida pela apresentadora global, Sonia disse que estava preparada e que ficaria do lado da lei. “Eu sou muito prática: todo mundo tem direito de processar, faz parte da liberdade de se sentir atingido ou não. Na nossa área de trabalho é mais comum ainda, porque a gente vive emitindo opinião que pode agradar ou não. Que cumpra-se a lei, eu estou do lado da Justiça”, afirmou à época.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você está ciente dessa funcionalidade. Consulte nossa Política de Privacidade.